quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

F...o quê?

Ilusão meu amar
A loucura dessa cidade quer me pegar
Mas eu não
Vou partir daqui enquanto estou inteiro
A loucura desse trânsito quer me tornar um inseto insensato
Mas vai eu vou continuar a tentar me mudar
Dessa gaiola em que moramos  vou me mandar
Ela não consegue prender meu encanto meu cantar
Minha voz ritmada e rimada está impressa no ar refletido de poluição

...Eu tenho que tentar de novo...

Ar meu mar a molhar o meu olhar
E as milhares de páginas que escrevo de uma vida não escrava me cravam um cravo
Feito um crivo em meu peito ativo e altivo
Certo que efetivo está sempre pronto e afetivo
A qualquer aflito amigo frito nesse ovo desse asfalto aqui descrito num qualquer distrito
Ou em algum detrito aqui neste ponto em que conto e invento mais um ponto
É estou contaminado de mim mesmo
Pois assim posso contar infinitamente a minha história

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Me prometi a TI

Quem sabe se não é você?
Que marcada está no insensato jeito do destino nos mostrar o caminho
E a distância de um amor ao seu encontro está sempre alguma dor
Que não me resguarde e mesmo assim guarde de toda dor que o amor possa me causar
Marcou-se um dia no calendário da minha vida que a encontraria
E a reconheceria
Quem sabe que tudo o que passei
Não foi algo para eu aprender o caminho
Mas como poderei dizer se ainda não a encontrei
Mas não é possível que esse dia não foi marcado em minha folhinha
Se a sinto aqui fofinha
Coladinha em meu regato
E assim sinto e sento espero esperto na procura

Na secura de uma vida gritantemente sua em mim o suor de meu melhor ao te encontrar
E espero e quero
Vou aqui.ali, lá estar
Como uma estrela que em noite de luar parece me perseguir
Peço a esta estrela que me aponte onde está o meu grande amor a nascer
E que fará em mim renascer todo o prazer de andar nesse labirinto perdido
Sentindo tudo aqui dentro
E bem la no centro
Tempero coentro
Saturo
Saturno
Vênus
Suturo o furo de amores passados
Livre com a cicatriz de ser e estar feliz mesmo assim
Não esqueço
Mas cresço
E ti meu amor me ofereço

domingo, 15 de fevereiro de 2015

A de não miro

Admiro os normais, os casados, os 9h às 6h, os que esperam um ano pra tirar férias, os que sustentam uma cambada e para si nada...
Admiro mesmo
Mas não consigo ser assim

Não curto muito os que torcem somente para um time de futebol, os que gostam só de pagodes, ou de funk, ou de sertanejo. Não admiro muito os que parecem se divertir assistindo TV aberta, novelas e programas dominicais. Ah, e também, não curto os teen que se acham demais.

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Esse teu hálito de saco

A quem eu sou meu rei
A quem eu meu deus me dei
Eu espero estar certo
Controlo minha mente
Ou e como é difícil saber-se
E não ser-se
Urro
Grito
Berro
Eu tenho um  canto
Um cantinho
Um som só meu
E pus nele todo o meu sentimento
Mas sempre tem algo mais
O pulso pulsa e expulsa toda minha repulsa
Aos acomodados
Que não sentem-se acomodados
Só saio daqui se for pra ser mais do que qualquer um
Ou mesmo todos

Sintam que é agora

domingo, 8 de fevereiro de 2015

Ponho-me

Meus textos não são tão breves e nem extensos, pois sei que são muitas coisas que desviam, modificam e anulam a atenção dos leitores. Mas procuro escrever o suficiente para que percebam um outro universo em cada verso. É tipo uma conversa direta que vai pela direita minha na esquerda parte tua, aquela que fica atrás do mamilo. Que transmite aquilo do leite ao batimento cardíaco. É...alonguei-me e ninguém leu-me ou entendeu-me, mas dei-me

...Pura poesia essa rotina...

Toda via leva ao olhar que não a via, mas havia.Tanto que estou indo por essa rua atrás da tua vista que retida continua nua na minha retina.

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

RPG 8 posições

http://www.gfd.pt/docs/rpg.pdf