domingo, 12 de fevereiro de 2017

Em tuas mãos aos teus pés

Me lava
Me leva leve ao teu leito de neve
Toca nosso som bom
Bem molhada mordiscada carne
Vá venha com tua azenha
Me assanha e acena tua senha
Que acesso teu sexo
Sem excesso
Sem escasso
Perco a cabeça e cabaço
Racho meu pedaço em tantos cacos
Juntos somos tantos que ficamos tontos
Inebriados endiabrando nossos corpos santos
Teus lábios sábios são lenha na fornalha
Caibo certo dentro da cava cavidade do teu seio coração
Eu sei
Eu rei errei
Mas hei de saber subir até ae em ti
Descer de mim mucamo
Para sermos nós enfim
Enroscados te amo
Já que estou em tuas mãos

Aos teus pés

sábado, 11 de fevereiro de 2017

Deus me Deus você


Já que eu não consigo fazer tudo o que quero com você
Nem vou tentar
Fico aqui no meu lugar
Com medo de te ligar e ficar pendurado num fio celular
Tudo me lembra teu olhar
Preciso te pegar aqui nesse lugar
Nesse local que louco quase estou
Ou te apagar
A minha linha está ocupada com teu coração
E cabe mais uma mensagem
Com uma oração
Não sai
Não vai
Vem que tem

terça-feira, 7 de fevereiro de 2017

Open the doors

Ser jovem e nunca ter escrito para depois ser lido
É ter jogado a vida fora
E por mais boçais que hajam
A vida vai persistir
Alongo meus pensamentos por minhas fibras musculares
Em lentos movimentos
Ioga faço de minhas ideias

Logue minha senha na tua azenha

Que por mais azeda que esteja
A roda venta minha venda
E da nossa visão tira a venda
Por onde vendo a boa vida que vejo
Sem preço
E sem pressa
Que por mais que eu pareça difícil de entender
Me atenda
Entenda não faço qie quero
Faço o que posso
Estou num poço
E tento fazer com que você que me lê
Me salve
Estou numa selva
Estou deitado numa relva rala
E está pegando fogo
Não sei é um jogo
Mas pra mim é o jogo da minha vida

Abram suas portas

Em você que me lê



Se você não se rebelar a tudo como ae está
Você nunca vai saber onde está
Tire uma self de si e saiba-se
Uma foto
Um fato novo
Um ovo
Uma jovem vida a sua
Que na sua mão está
E são tantas
Somos mais de sete bilhões
Que só uns poucos irão se importar
E você que mais importa
Não irá nada do que sonhou irá fazer
E euuuuuu
Vou tentar descrever que...
Se desescravizar
Que é o que tento fazer, faço
E bebo no bico a vida
E sinto no meu bico de triste que o que vale a pena
É pegar as penas
Canetas
Torná-las asas
E voar daqui
Pra aqui marcar que estive

E continuo

D'Eus

Lúcifer
Esses remédios que os médicos me dão
Só me tornam dependentes de laboratórios
Cadê meus rios de janeiros
Vi os lentos
Violentamente passando
E eu me consumindo em vibes que matam mais
Quero me matar de viver
Não de me chapar
Tento com a mão imitar a reprodução
Me reproduzo
Me conduzo
Crio em minhas mãos o futuro que deusifico
E como transo não reproduzo em camisas
De Vênus eu Mercúrio me curo
E digo que Plutão é sim um local em que há os que são
E me obrigo a voltar a puta que me pariu
E mesmo que me torne um anjo que do céu caiu
Luz se fez ao meu olhar
Digam que eu cai
Mas saibam que soube subir para cair
E que minhas ideias são menstruações
Coisas que poderiam nascer
Mas desceram num modees ou obs
E que sujos são menosprezados num lixo reciclável
Por falta de consciência natural
Já que fazem do petróleo algo artificial
Mas a sociedade
O  nosso mundo é feito por
E d'Eus





Não podem-se

Bem meu bem
Vou falar o que tenho que falar
E não sei no que vai dar
Se nasci para vadiar
Não há nada que vá adiar
Quero falar que o Papai Noel existe
E que Jesus e Deus resistem
Foda-se quem não acredita
Credito em minha vida todos os créditos que debito
E debilitado ainda mesmos assim não sou otário de não ter com quem contar
Na hora do aperto
Digo adeus aos ateus
Sou crente acredito no meu Deus
Que faço nosso
E que desse aço
Desse pedaço de osso

Sou o que posso
Já qe posso

segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Fazer o quê?




O que eu quero é viver a cantar e a dançar
Seja contigo
Seja sozinho
A vida não é tão longa e nem tão boa pra quem não se alonga
Eu mudo ao escutar música
Eu amo escutar música
E não acontece só comigo
Quem já me viu dançando e cantando sabe do que estou falando
Olhe bem pra minha pele e pelos ouriçados
Todos os sentidos aguçados
Açucarados
Sou o convite a dançar sim
E a cantar
A vida presta e o que interessa é esta festa
Diga sim pra mim
Pra nós
Vivo assim
Quero cantar e dançar
Mico pagar
Depois até me envergonhar
Fazer o que?
Eu sou assim