domingo, 22 de março de 2015

Vá idade

Quando a verdade encontrar-se com você
Verá que a idade quanto mais
Mais milhões têm no banco celeste 
E a vaidade tem que ser equilibrada

Renascerá a cada hora que passa
E nada mais importará
A não ser a poesia de amar
E por mais amor que sinta-se incompreendido
Saiba que vivemos em superfície
E os que amam mesmo
Profundamente
Mas tão profundamente
Que fazem a volta
Tornam-se sublimes
Vida circular
E
Se minha inocência te ofende
Saiba que a fera necessita é disso
De inocência
E assim
Vai achar em meio a hipocrisia confortavelmente hospedada a maldade

Saia com força
Faça da vida o seu sonho
Sei que estou contando para mim mesmo esse texto
Que muitos dirão não ser nada de poesia
Esses estão mais para verniz

Mas a força que consigo alcançar
Ouvindo os sussurros de minha alma

É isso ae a minha poesia

sábado, 14 de março de 2015

terça-feira, 10 de março de 2015

Rever forever

As cinzas do mundo caem sobre mim
Enquanto ando pela rua congestionada
E isso quer me dizer que claro como o sol lá atrás
Estou esperando o vendaval passar
Se as pessoas não querem compreender
Eu não falo mais
Mas vou continuar
E mais um fino passa
E como vou fazer para no meio dessa bagunça me encontrar
Eu não sei
Mas mesmo assim estou a ti procurar
Não eu não vou estar lá
Vou estar aqui sem me desesperar

O mundo vai me rever

sábado, 7 de março de 2015

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

F...o quê?

Ilusão meu amar
A loucura dessa cidade quer me pegar
Mas eu não
Vou partir daqui enquanto estou inteiro
A loucura desse trânsito quer me tornar um inseto insensato
Mas vai eu vou continuar a tentar me mudar
Dessa gaiola em que moramos  vou me mandar
Ela não consegue prender meu encanto meu cantar
Minha voz ritmada e rimada está impressa no ar refletido de poluição

...Eu tenho que tentar de novo...

Ar meu mar a molhar o meu olhar
E as milhares de páginas que escrevo de uma vida não escrava me cravam um cravo
Feito um crivo em meu peito ativo e altivo
Certo que efetivo está sempre pronto e afetivo
A qualquer aflito amigo frito nesse ovo desse asfalto aqui descrito num qualquer distrito
Ou em algum detrito aqui neste ponto em que conto e invento mais um ponto
É... estou contaminado de mim mesmo
Pois assim posso contar infinitamente a minha história

domingo, 22 de fevereiro de 2015

Me prometi a TI

Quem sabe se não é você?
Que marcada está no insensato jeito do destino nos mostrar o caminho
E a distância de um amor ao seu encontro está sempre alguma dor
Que não me resguarde e mesmo assim guarde de toda dor que o amor possa me causar
Marcou-se um dia no calendário da minha vida que a encontraria
E a reconheceria
Quem sabe que tudo o que passei
Não foi algo para eu aprender o caminho
Mas como poderei dizer se ainda não a encontrei
Mas não é possível que esse dia não foi marcado em minha folhinha
Se a sinto aqui fofinha
Coladinha em meu regato
E assim sinto e sento espero esperto na procura

Na secura de uma vida gritantemente sua em mim o suor de meu melhor ao te encontrar
E espero e quero
Vou aqui.ali, lá estar
Como uma estrela que em noite de luar parece me perseguir
Peço a esta estrela que me aponte onde está o meu grande amor a nascer
E que fará em mim renascer todo o prazer de andar nesse labirinto perdido
Sentindo tudo aqui dentro
E bem la no centro
Tempero coentro
Saturo
Saturno
Vênus
Suturo o furo de amores passados
Livre com a cicatriz de ser e estar feliz mesmo assim
Não esqueço
Mas cresço
E ti meu amor me ofereço