quarta-feira, 20 de setembro de 2017

É o meu imaginar-te


Te dei silêncio e luz
Me pus em seleção a qualquer outra secreção que não
Joguei minhas roupas ao chão para não resfriar teu calor
Enriqueci de amor um miojo
Fui até a lua e pedi para ela descer pra nós
E fui até a rua e pedi paz
Enxuguei todas as lágrimas que pude
E enfim vi que o leste leva ao oeste
E que norte leva ao sul
É o redondo mundo indo
Levando tudo

E mais além do fim me vi
Ali
No eco do que disse a ti
Ouvi

Baby
Babe
Enxuguei a mim próprio
Assim nasci
Rei nasci
Assim vi
Que não há amor maior no mundo do que o meu por eu a ti
E esse amor é o amor que move o mundo
E por todas as pessoas do mundo sinto o mesmo
Amo a esmo
Do que lembro de ti 
É que nós fomos nós mesmos
E que o que foi tri é que
Não havia quem não nos via
E que as pedras do caminho não se atreviam a nos impedir
Mas que no fim
As pedras são como as estrelas
Estamos entre elas a entrete-las


segunda-feira, 28 de agosto de 2017

Já andei tanto e fui te encontrar onde já sabia

Havia um tempo em que eu não acreditava em nada nem ninguém
Mas sempre segui o bem
Sei que o amor sempre vai e vem
Queria entrar  no Zaffari e a encontrar para fazermos um Safari
Esquecermos das dores
Ver as cores dos por do sóis
Os nós atando nós e desatando todas as engrenagens impostas
O momento exato não tem tempo errado
Não nunca havia por ti passado
Pensando que tu nem existia
Mas tava ali
No meu mar de amar

Não ri meu
Teu rímel escorreu para dentro dos meus olhos
E aquele beijo nos teus dedos com meus lábios indicaram para onde estava aportando meu coração
Sim não vou parar de ver em ti o que vi

A tua e a minha dor de amor se foram ao mar de nos amar e voltaram em ondas de paz
Nos libertamos da posse
Posso amar e deixar la em seu lugar ao seu ar para respirar
Suspirar e não pirar
Gatinha teu gostinho mora agora aqui dentro
Da tua boca senti o vento trazendo uma voz macia
Que em mim tecia tudo o que acontecia
Mas que maluco sou
Num minuto estou girando mundo
E no outro segundo estou voltando no tempo
Peguei os ponteiros do relógio e os números do calendário e os joguei num segredo de liquidificador segurando meu medo fui indo

E pensando que estou eu sentado na beira mar
Fechando os olhos
E para sempre nossa história passando no cinema de minhas pálpebras
Vi o mundo de fato como quero
O tempo não parou
Mas uma luz flashou e congelou cada momento
Cada sorriso
Cada gemido
E aquele medinho se indo
Aos entrelaçados corpos
Entregues aos sonhos
De que ali somos o que viemos fazer aqui
Amar com o compromisso de não compromissar
Sabendo que o profundo amor é sublime
E sublima todo o universo
E faz chover versos de amor

domingo, 20 de agosto de 2017

Estou apaixonado por mim ou por estar por ti apaixonado

Só as flores são livres
Só as cores são livres
Nós não
Somos presos em nossas dores

...

E ela trai
Oh meu Deus ela trai

Trai em seu estilo
Assim que ela me atrai

Sem como explicar
A como quando ela quiser me dar
É o meu destino

Nada mais sei sobre isso
Continuo sendo herói de mim mesmo
E nada mais sei sobre isso
Continuo vivo
Mas ai como dói
E eu tenho que ama-la
E esquecer minha mala
O que sei
E saquei
Não importa
Sei que andei até aqui para encontra-la
E no chão me acho
Mas o claro que isso tudo
Quer dizer
É que está amanhecendo

Entra o sol na noite
Em açoite
Estou no açougue
Escorre o meu sangue
Por minhas velhas veias
E ela como a noite se vai
Sem dar tchau
Vai e me traz uns ais
Uns aus
Lato
Cato
Vai
To bem
Saem meus sais
Mas mais produzo
Reproduzo
Induzo meus eus
Ao Deus voo
São frames
Sem famas
Solo em meu sol
Ás minhas solas piso
Isso mesmo
Não entendam
Se estendam
Descubram em si seus nãos e suas seis direções
Se cinco ou seis forem demais
Sei-te diz um oi to aqui
Novos noves esperando um dez
Chegou a nossa vez
Mas sobre ela
Ela trai
Óh
Ela trai a si mesmo
E eu a esmo
Não sei
Mesmo sabendo

Vou evoluir e a esquecer nessa revolução
Sou humano
E os humanos passam por tudo e contam de tudo
Estudo
Ex-tudo
Não sei
Ecoo
Evoco-o
O que é ser assim?
É estar assim?
Apaixonei-me por ela ou por mim?
Apaixonei-me por ela e por mim!
Amo o que amei


Confundo o raso com o fundo
Sublimo o profundo
Estou apaixonado por mim  ou por estar por ti apaixonado
Estou amando
E por mim sendo amado


domingo, 2 de julho de 2017

Eu sou um perigo amigo



Suicído meu eu menino
E o meu eu adulto nasce
Desadulterado vôo
Sob meu corpo criança
Sim, fui criança
Adeus
Confundi o foundue de lágrimas quentes 
Com o laboratório que sou
Não entendo-me
Mas quero

Estendo meus braços
Acudam!
Eu sou um perigo amigo
Vivo hoje
E deixo vivo meu hoje

Sou um Frankestein de meus fracassos
Sou o cristo cristalizado em meu ser ser humano
Um mano de muitos anos
Estou ou sou...
Minha coluna vertebral está se requebrando
Intimamente estou dançando
Revirando my eyes
Recolhendo meus nervos
Dando um bye aos meus ais
Flutuando sobre meus ossos
Tão nossos
Não sei
Entendo que não sei
Mas sigo
Sugo

Uuuuu

E do tombo vem...
As ondas dos oceanos que tenho chorado
Dóem
Dou em mim
Doía uma dor boa
Tipo cosquinha de frieira
Ou deu unha encravada
Sendo por um alicate apertada
Fez-me
Faz-me

Fezes

Sei que estou sendo o que não há explicação
Mas sou assim
Tipo nuvens que logo somem
Um Homem


quarta-feira, 28 de junho de 2017

Deus Tino

O sol brilha do teu rosto
Melhor
Dos teus olhos
Teu brinco brinca com teus lóbulos
Pior briga teu doce gosto
Minha língua ta no teu ouvido dizendo
Duvido
Do vidro dos teus olhos
Que são chamas acesas que me chamam as pressas
Não ouça minhas dores vivas
Sucumbo as duas cores dos teu olhos
O branco branco e o castanho castanho
Estranho a cor castanha em meio a branca  
Tudo em ti lança-me
Alcança-me
Louca por ti quase enlouqueço
De mim quase esqueço
Mas cresço
Teu sol ergue-me
Clareia-me as ideias
Amo-te, mas não me odeio
Tenho acelerador e freio
Piso nisso que de mim restou sem machucar o que sou
Não me castigo ao não ter-te-te
Nem que fosse por mais uma noite ou toda a eternidade
De nossa tenra idade esparramo
Amo
Suo
Sou-o
Não sou a noite e nem teu açoite
Por meus lábios e garganta passam a voz que te ama
Mas vem de um pulmão e coração que não
Pequeno veneno instilado instalado ao teu lado
Sei lembro bem
Não foi eu nem você
Foi o Deus Tino
Lembra?
Estávamos cansados
Sentados nas escadas que elevam ao bar
Ao mar
Ao lar
Sei lá estávamos perdidos
Vendo ventos
Onde a onda arrebenta na poesia da praia
Corremos de encontro um ao outro
Sentado ombro a ombro
Aquecendo
Esquecendo o escombro
Da cidade
Se idade não contou por ser pouca
Nossa hostória não foi de varde
Covarde verdes anos
Cor aja e pinta de volta nossa história
Tudo gira como naquele dia daquela noite
Éramos viciados
Escravos de estrelas
Por estar entre elas
Entrete-las ou não
Decidimos sair da razão
E viver toda a emoção que possa suportar o coração
A poesia nascia em nossa vida e morria o outro lado da vida
As flores desmurchavam
A cidade se coloria
E o sol nascia de nossos olhos
Eu ainda vejo teu sorriso saindo das minhas vistas



segunda-feira, 19 de junho de 2017

100 conectares

Como um dragão incendeia-me com teu hálito quente
Tenho quase que recolher minha chibata
Mas não
É pura ilusão
Sou mais eu
E minha marcha engata
Não precisa sair da frente
Gosto desse desafio de estar com alguém que me faça duvidar
Não gosto de quem concorde com tudo o que faço
Parece que pouco se importa
Então passe a viver ao meu lado meu bem
Sempre fui atrás de ti
Agora que a encontrei não vou retroceder
E nem ceder
Já que pus-me a quem seduz-me
Estou aqui
Desencapuzo-me
Boto a pilha na tua bateria como sempre queria
Sou a rôla que rola e trola
Um trailer navegando pela vida nova que está chegando
A pinto com nossa tinta inventada agora
Desbafora essa fumaça
Respiremos juntos nossos pirar
Nossa pira tá acesa
Meu Deus agradeço com minha voz
Que grita um rito
O que sempre tenho dito
Esperar meu amor
É o que nunca fiz
Mas sempre quis
Estar ao seu lado de dentro

quarta-feira, 14 de junho de 2017

Youtube or not youtube (FilMental)



Alguns preferem inverno outros verão
Mas todos verão que o inferno é qualquer estação que não se quer estar
Ou to no tempo que estou ou desembarco em outra estação
Ai vem o vento e a chuva que de primeira molha minha moleira
A prima da verdade é a necessidade de se acreditar
E se creditar
E verá que não há na folhinha dia que o faça mais feliz do que amar-se agora
Ser não é estar
Eu por exemplo nunca to aqui to sempre ai
E se o futuro fosse agora eu estaria em outra hora jogando minhas palavras livres ao ar
Esse que estou a suspirar
É que eu não sei o que fazer
A liberdade do livre arbítrio leva-me a isto
Quero ser e estar em tantos lugares que possa eu imaginar
Meus olhos tem uma força de olhar e sentir o que eu imaginar
E não coloco-me em risco 
Arrisco a dizer que viver pra mim é isto
Acho que não sei dizer francamente o que sinto
Mas vou documentalizar tudo o que sinto que sinto
Ando andando por aqui e me sentindo vazio
Sem cio
Por isso crio minha clio
E vou caminhando para onde a chuva caia e o sol ainda raie
E o meu eu como o seu seja nosso maior intento
Tento
Dou bom dia pro dia e pra aquele ranzinza sorrio
Sou rio transbordando hoje em dia
A vazão foge de minha razão e o vento sul represa, repensa
A vida prezo, peso
Aquele cara que mataram por aquele cara que mataram está lá
Onde todos um dia vamos estar
Céu ou inferno
Eu ou tu vamos para lá
Por isso enquanto vivos vamos a maçã juntos  morder
O conhecimento de até onde nossa imaginação possa chegar é o que viemos fazer
Não paro
O filme não para
Rodando
Ação
Se entende?
Sem The End
Tanto faz se poucos me lerem
Estou aqui ainda
Forever