terça-feira, 30 de junho de 2015

Me dou e me dou. Ninguém me quer

Sei que isso não é hora
A presidente deve estar dormindo
Mas quando ela acordará?
Quantas histórias terão um triste fim
Não dá para continuar assim
Mas resisto
Quem me entende?
Quem será que vai um dia tentar
Mas um grito sai de mim
È tão claro como o sol
Mais muita mais que mil dias
Dez mil dias
Mais
Desde que lembro tento
Tento expressar o que sinto que sinto
Repito de repente
Os gritos desse muitos
Há tanto tempo nunca escutados
Meus olhos fecharão sob toneladas de tentativas
Não
Nunca irei desistir
É sempre hora
E agora
Vou sussurrar ao vento meu intento
Deus nos fez para fazer algo
Tento todos os dias descobrir
E sei que se nada sei
Isso sei

À vida me dei

sexta-feira, 26 de junho de 2015

Off Aff

Cem zilhões tenho para gastar nesse meu viver
E um sentai-vos vale mais do que...meu niver
Lembro de minha juventude...que viver
O sol se punha...bom ver
E ao meu punho gozava...o que fazer
E o ar acabava em meus pulmões...tanto mais 
Comigo eu pensava e sentia que secretamente havia algo...mais
Que não fechava...eu com meus pais
Trago comigo duas bolas que juntas dizem...mas
Siga sem mim...pus um mas
Mas como assim...pensei
Confuso...não sei

Confundo no fundo o seu céu com meu eu...faço tudo de novo
E arrisco digitar um texto on...sou um ovo
Off...redondo
Aff...redundo
E assim vejo que as pessoas não dedicam suas vidas a si...reitero
Vivem de e por aparências...estou inteiro
Phodem seus parentes...assim todos
Que somos todos nós...os quero de novo
Os que entendem que eu quero continuo


Lembro de minha juventude
Tantos sonhos jogados para fora de jovens
A luz clareia tanto que prisma a costa do oceano
Estamos sempre na praia esperando o sol nascer
Secretamente sabíamos que íamos voltar
Mas as cosias não são bem assim

Olho no arco dos olhos flechando irís
A mira
Minha Vó Mira
Marcou o lindo caminho
Entendo que não quero compreender

Se a vida é minha
Caminho sozinho
E sem profissão vou indo
E vindo
Venho
Nos feras a tu sou
E o Hollywood é um cigarro que não fumo mais
Não quero e não vou zombar de que fuma
Mas eu não



Pau use e norme


Livre diz o azul do céu a meu sangue
Circule só sem muito mais
Sabe que quanto mais
Mais difícil é de...
Só uma longa
Uma longa
Ontem a noite meus amigos se tornaram anjos
Eles me protegem de você
De você que não quer mais me ler


quarta-feira, 24 de junho de 2015

Não, não existe


Andava por ae de reflexão em reflexão
Até que olhei uma poça no chão de uma quarta-feira
Deu pra ver eu mesmo do meu não
Canseira que resiste
Olhei pro céu que me disse
Olhe pra dentro
Fui à um cinema no centro
Encontrei mente e coração
Um chiste que rima com o que comigo existe
Dentro um vulcão começou a derramar
Uma vontade louca de amar

domingo, 21 de junho de 2015

quarta-feira, 17 de junho de 2015

Greats Expectations

Eu não below gaTINHA



Me provocaram até amanhecer
E está azul
E o cemitério sem ninguém
Começo a acordar
São uns zumbis
Vou estourar
No meu mundo colorido, danço
Mas tem mais
Eles trabalham até seus olhos sonharem
Mas antes dos olhos estamos nós
As vozes dizendo vá
Somos uns olhos infantis
Daqueles que dizem
Que pra ser feliz
É só se seguir
E que mesmo num cemitério há o mistério
E que viver diz o que diz
Que o azul do céu vem da luz solar
E que se talvez amar
Possa ser ser feliz
Mesmo que não seja com você
Vou
O meu estilo incrível diz
Que não quero
Mas depois do zero
Below sou eu
E que depois do zero escalei-me
Escabelei um fio que eu não sabia que
TINHA

terça-feira, 16 de junho de 2015

Sopros de ventos

Lembrando de minha juventude viajo
Viajo até lá
Se eu pudesse me olhar
Me ajudar
Estava la
E no ar passa uma luz que ilumina o estádio
E esse jogo da vida ao vivo é transmitido
Ái sai
Não quero mais escutar
E os ricos secretamente observam os pobres
E querem ter aquela simplicidade de sonhar um dia melhor
Surge uma loucura sem drogas
Eu quero decidir pelo certo
Por favor não complique
Anote nesse seu papel de vida sua vida
Que sai a nota divina
Meu melhor ainda está por vir
Eu disse que ao fim que o amo
Eu não quero lutar por nada
Quero a paz em tudo
Nunca mais quero dizer a Deus
Eu quero falar com os meus
Que iguais sofrem e vivem
E querem continuar a viver
Meus olhos arregalam
Canta o galo
Está amanhecendo
È cedo eu sei
E nada do medo acordar
O medo é preguiçoso
Estou na luz nova desse dia novo
Um ovo olha a frígida frigideira
E uma uva cai da videira
Assim se resume uma vida inteira
É perigoso não ser só mais um
Mas quem não quer ser só mais um fantasma por ae
Tenta
Uma luz diz meu nome e o seu que está ae me lendo
E se ouvindo
E a estrada é longa
Que onda