quinta-feira, 18 de dezembro de 2014

Tatuamos em cada braço o nome de amores muito fácil



Ve se me solta
Vai se arrebentar em seu rosto
O que resta de alguém que eu quis
Passo os olhos em fotos no face 
Vejo sua face demais
Saio com quem fácil esqueço
Mas desde que me deu o que mereço
Afrouxei as amarras
Descobri-me quem ama demais
Mas tão certo quanto o que se queima antes aquece
Esqueça o nosso amor
Somos mesmo iguais

Tatuamos em cada braço o nome de amores muito fácil

Celularize-me em seus contatos



Solto meus cabelos
Nem os corto
Domo-os fio a fio
Com o pente da mente
Agradeço e agrido cada momento
Peço por favor
vá se fuder
Louco está!
Se o seu fardo não desfraldar
...Carma
O  máximo de si
Está ae bandeira
A única coisa que o protege do inclemente Deustino

Olho bem as horas e o quanto demarca-las tanto faz

Facilito o éter
Percebo as curvas
Não tem reta
Aventuro maduro
Tem brita em cada curva de quem se cabrita
Grita e segue ainda
Cada passo picasso
Um foco focado
Desfocado e chegado
E la
No bem aqui
Onde se para de suar contra correntes
Por um momento tranquiliza-se
As mãos desenrijecem 
Ficam como as de bibas 
São os dedos ponteiros apontando as horas senhoras
Mistifico o momento
Um poeta portando sua própria o que ainda sabe-se lá
Mas ele (eu)
Segue
Sigo
Em dupla celularize-me
De frente ao hotel
Mas como?
Apareceu um hostel?
Não
Tanto que andei para te encontrar 
Aqui me lendo
Estou nos respeitando
Meus peitos estão inchando
Entumecidos
Pelos amigos
Ou então a chave do meu coração
Viraram duas ou mais?

Sóis

Utiu

Mesmo que você não pisque
Veja o tempo passa
Daquelas espinhas que não saiam nem marcas
E os amigos erráticos
Enigmáticos que apareceram somente um dia numa noite
Quero mais de você
Arrisque ser o máximo de si
E juntos formarmos um conjunto
Eu quero estar com quem algo ou alguma coisa nos identifique
E sem cúmplice
Não complique
Nem explique
Somente juntos
Um espírito todos temos
Mas tão leve sou
Leve meu coração no ritmo de duas batidas em sincronia
Pura metáfora
Não é nada o que quero
De ti quero nos nus
Sem ver paus nem cus
Sem essa de maus ou bens
Alguém que sem algo apareça e não pense que parece que eu penso que eu me acho
Ou não assim como tiver que seja, que seja
Agora complica meu pensar
E a dúvida desse anotar não notei no ar
Não sou um pintor
Aliás
Sou um pintor de letras
As misturando com o pouco de Picasso que todos temos escondidos
Ou não assim isso leva a minha vontade de escutar o som de nossa voz juntos
Cantando a mesma canção e nos olhos o refrão
A nos encararmo-nos
Sem desafiar
Somente de ombros
Subir aos escombros livres de si
Do que nos fizemos e fazemos
Um dizer ao outro
Que estávamos sem fome
Éramos um par cada um de nós
Hoje somos sóis




quarta-feira, 17 de dezembro de 2014

Uni Versos Para LElos

Existem várias dimensões onde acontecem outras realidades. O das letras que juntas formam nsmvncmchdgfle várias formas de ex pressões... nbmv

O mestre inesquecível

file:///C:/Users/pc/Downloads/o%20mestre%20inesquecivel.pdf

A Queda da Casa de Usher - Edgar Allan Poe - 1928 - Legendado PT

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

Verso aliterativo

http://pt.wikipedia.org/wiki/Verso_aliterativo